Lanchas

O bê-á-bá do trim

por Charles Plueddeman
Postado em 07 de Agosto de 2018

Como aprimorar a manobrabilidade, conforto e economia de combustível

Direção, aceleração e trim são elementos essenciais para a maioria dos barcos. No caso do trim, porém, trata-se de outra dimensão, muitas vezes confundida ou até negligenciada. O trim muda o ângulo do eixo do hélice em relação ao barco. Quando uma lancha está planando com o eixo do hélice paralelo à superfícies da água, consideramos que o trim é "zero" ou neutro. Nessa condição, todo o empuxo do hélice está sendo utilizado para propelir a embarcação para a frente. 

Quando pressionamos o controle do trim para baixo, a rabeta do motor se aproxima do espelho de popa. No extremo, ou seja, quando encostar no casco, o ângulo ficará negativo em cerca de seis graus. Assim, o eixo "mira" o fundo do mar e parte do empuxo gerado pelo hélice é gasto para levantar a popa do barco. Um casco tem o comportamento similar ao de uma gangorra: se a popa é levantada, a proa afunda, e vice-versa. Se pressionarmos o comando do trim para cima, a rabeta se afasta do casco e, quando o eixo do hélice passa da posição neutra ou "zero" graus, parte do empuxo gerado pelo hélice pressiona a popa para baixo, ou levanta a proa. Uma regrinha para lembrar disso com facilidade: pressione o comando do trim para baixo, a proa abaixa. Comando para cima, a proa sobe. Fácil. 

Para planar eficientemente, inicie com o trim todo para baixo (ou "para dentro"). Para saber se a rabeta já encostou na popa, preste atenção ao ruído gerado pela bomba hidráulica do trim: quando ela encostar, o som mudará de tom. Quando "sentar a mão nos manetes", parte do empuxo gerado pelo hélice empurrará a popa para cima e ajudará a lancha a planar mais facilmente. Tente acelerar com o trim para cima e perceberá que a proa apontará em direção ao céu, bloqueando sua vista frontal. Ao mesmo tempo, terá dificuldade para planar e consumirá mais combustível. 

(Ilustração: Tim Baker)Uma vez que o barco esteja planando e em velocidade, use o trim para ajustar a atitude do casco. O ideal é que esteja singrando os mares apoiado no terço posterior do casco. Comande o trim para cima e sentirá que a proa sobe, a direção fica mais leve e que a velocidade aumenta. Note também que a posição em que o "spray" é gerado pelo casco vai se deslocando em direção à popa. O arrasto fica menor, e o consumo de combustível diminuí. 

Trimar muito para cima pode causar problemas. Em alta velocidade, isso se faz notar pela mudança de tom do conjunto propulsor, pois o hélice começa a "aerar". Pelo GPS será possível notar uma diminuição da velocidade, mesmo que a rotação do motor aumente. Dê pequenos toques no comando do trim para baixo e o hélice voltará a operar normalmente. Caturrar em velocidade de cruzeiro também pode ser consequência de uma rabeta trimada muito para cima. A superfície do casco deslizando dentro d'água é menor do que a necessária para sustentar o planeio. A proa cai, o planeio é restabelecido e o ciclo se repete. Interrompa o ciclo com alguns toques para baixo (ou "para dentro") no comando do trim até que a lancha pare de caturrar. Outra opção é manter o trim e acelerar mais a lancha. 

Quando conduzir contra as ondas, abaixar o trim deixará a navegação mais confortável, pois o "V" na proa, que normalmente é mais acentuado que o da popa, corta melhor as águas. Ao navegar a favor das ondas, recomenda-se trimar a proa do barco para cima. Assim evitamos que a proa se "enterre" nas costas da onda da frente. 

O peso dos passageiros, combustível, água, etc, interfere na atitude da sua lancha. Manuseie o trim sem usar o indicador, apenas sentindo as reações do casco. Uma lancha bem trimada passa uma sensação de leveza e conforto. Um casco equilibrado "denuncia" uma trimagem otimizada quando o esforço para virar a bombordo é similar ao de girar a boreste. 

Newsletter

Cadastre-se para receber nossas novidades!

comentários