Vela

Flash 165, um veleiro de entrada com bom custo-benefício

por Johnny Deep
Postado em 30 de Agosto de 2017

Modelo acomoda até quatro pessoas e pode ser transportado em carreta rodoviária, graças à quilha retrátil e ao peso total de 370 kg

Flash 165 (Foto: Pepe Mélega)Há tempos estávamos procurando testar um veleiro indicado para quem se interessa pelo esporte à vela, mas não quer investir muito para descobrir se realmente gosta de velejar.

Pois bem: pelo preço de um carro popular, o estaleiro Craftec, de Cabreúva (SP), oferece o Flash 165, um veleiro aberto para até quatro tripulantes e que pode ser transportado em carreta rodoviária, devido à quilha retrátil e o peso total de 370 kg. Se ainda estiver em dúvidas, vale a pena se filiar ao Flash Clube (mais informações no fim do texto) para velejar quanto quiser por uma fração do custo de possuir um.

O layout do veleiro oferece bom espaço e conforto para os tripulantes, estejam eles sentados nos dois bancos integrados ao cockpit ou no convés, quando houver necessidade de fazer uma escora maior.

Todos os comandos ficam bem à mão, e chama a atenção — pelo menos para quem está acostumado a veleiros maiores — como é fácil manejar seus 16 m² de área vélica. Tudo feito com reduções e mordedores bem posicionados.

Mesmo a versão mais completa, com balão assimétrico de 19 m2 e gurupés retrátil, evidentemente a mais divertida das duas, não tem maiores complicações em seu manuseio.

A guarda do balão assimétrico é feita embaixo do convés de proa, enquanto a mestra tem Lazy Jack e é armazenada logo em cima da retranca. A buja conta com enrolador. Também há muito espaço debaixo do convés para o transporte de geladeiras, cestas de piquenique e o que mais for necessário para uma saída com a família. Em caso de sono excessivo, é até possível tirar uma boa soneca nessa “cabine” aberta. Complementam o espaço para guarda de objetos dois paiois na parte traseira dos bancos, um em cada bordo.

O cockpit é auto-drenante, e a adição de blocos de isopor entre casco e convés torna o barco insubmergível. Sua quilha retrátil com lastro permite que se navegue em águas relativamente rasas (35 cm), proporcionando boa performance quando estendida, quando o barco cala 1,35 m. O suporte de motor de popa opcional está dimensionado para potência de até 5 hp.

Saímos em uma tarde típica de verão, com sol e muitas nuvens, na Represa de Guarapiranga, em São Paulo, e estávamos em três tripulantes. Apesar do vento fraco, em torno de 3 a 5 nós, o Flash 165 se desloca com facilidade e tem o casco “liso”. A resposta do leme é rápida e precisa em qualquer situação de vento.

Depois da sessão de fotos, o tempo fechou e entraram rajadas mais fortes de até 15 nós, que possibilitaram explorar mais o trabalho do barco. No contravento, uma boa escora deixou o barco com o ângulo ideal na orça. Não sentimos a popa escapar em nenhum momento e a mão atenta na escota da mestra foi mais uma prevenção que uma necessidade. Houvesse o vento aumentado, havia um rizo na mestra e o enrolador da buja para o barco continuar seguro. Não chegamos a testar o que acontece se o barco virar, mas, de acordo com o fabricante, devido ao lastro na ponta da quilha retrátil, não há perigo dele “emborcar”. Basta soltar as escotas e trazê-lo de volta à horizontal.

O balão assimétrico possibilita ao veleiro planar em uma ampla gama de ângulos de vento, da orça folgada à empopada. O través folgado sem dúvida é o que mais emoção passa aos tripulantes,

O Flash 165 é um veleiro de entrada e fácil de manejar para os iniciantes, podendo ser utilizado para passeios com a família e, na versão mais completa, participar de regatas. E não decepciona os velejadores mais experientes, que podem ter nele uma alternativa interessante para os dias em que a opção de sair no veleiro grande está muito longe ou vai dar muito trabalho.

Flash Clube
O Estaleiro Craftec desenvolveu uma iniciativa pioneira que visa promover o esporte da vela, tornando-o mais acessível a um maior número de pessoas. Localizado no Sailing Center, na Represa Guarapiranga, em São Paulo (em breve em outras localidades), conta com uma flotilha de veleiros Flash, em sua maioria Flash 165. Pelo custo que se gastaria para manter um veleiro em uma marina, fica-se sócio do clube, tendo a flotilha toda à disposição, desde que feita a reserva antecipada, meio período de cada vez. Oferece pacotes de 3, 6 e 12 meses e o custo cai nos pacotes mais extensos. Quem quiser apenas experimentar os veleiros tem a possibilidade de realizar uma locação avulsa. Mais informações: contato@flashclube.com.br.


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

*Texto: Johnny Deep
**Fotos: Pepe Mélega

Newsletter

Cadastre-se para receber nossas novidades!

comentários